A Alquimia Energética

Reichiana e Bionergética

A questão é:- a compreensão do real e imaginário direciona a pessoa para uma melhor situação em sua vida? Para responder a esta questão teria de saber qual é o significado da frase- “...uma melhor situação em sua vida”.  Uma vez que a técnica holística esteja de acordo com esforços para obtermos o equilíbrio energético serão eficazes, se tivermos um conceito positivo da energia corporal e mental. Com esse binômio equilibrado, estaremos obtendo de um lado a resultante entre corpo e mente, de outro lado uma equilibrante que passa a ser a espiritualidade (energia transcendental); como seria a alquimia da mente em tempos passados vistas pelo sistema simbólico de hoje?

Exemplificando, hoje temos um (CAVI) Ciclo de Aprendizagem Vivencial do Imaginário, deriva-se da sensação de união com uma força ou uma ordem superior a nós mesmos; se aceitarmos que os seres humanos são criaturas também espiritual (energéticos), também devemos aceitar que o equilíbrio energético está relacionado com a espiritualidade que passa a ser o nosso (CAV) Ciclo de Aprendizagem Vivencial e o CAVI dos nossos antepassados milenares. Essa interação energética nos faz compreender a alquimia energética (consultório terapêutico holístico (CTH)): buscar a transformação tendo como estímulo o sistema simbólico do CAV e do CAVI que somados formam a resultante.

O tema desenvolvido mostra dois elementos simbólicos que buscam a percepção de qual é o mais adequado para o equilíbrio ou bem estar pelo autoconhecimento. O primeiro elemento é o consultante, representado aqui, neste estudo, pelo Ciclo de Aprendizagem Vivencial (CAV). Esse CAV representa o mundo simbólico do consultante. O segundo é constituído pelo consultado no consultório terapêutico holístico (CTH) e será representado pelo Ciclo de Aprendizagem Vivencial do Imaginário (CAVI). Esse CAVI representa o mundo do Sagrado. O consultante está em busca da transformação representada por esse sistema simbólico que constitui o objeto de estudo. Da resultante desta relação forma-se a síntese equilibrante. A resultante é o ‘soma’ entre o corpo e a mente, a equilibrante é a espiritualidade, estes dois processos energéticos formam a tríade corpo-mente-espírito.

A justificativa para esta relação resultante-equilibrante está  embasada no argumento de que todos nós, seres humanos, sentimos em determinado momento um certo vazio na nossa existência. Essa necessidade existencial humana nos leva à busca transcendental ou a valorizar o simbolismo da terapia holística. Isto pode ser comprovado na constante busca de ‘o ser’ trabalhar com este vazio ou o seu existencial. A compreensão dos estímulos representados no binômio: pergunta-resposta passa pela compreensão do aconselhamento psicoterapêutico que direciona a pessoa para um crescimento integral de seus corpos físico, mental, emocional, espiritual e consequente autoconhecimento. Esta melhor situação vai depender do que este Eu – sente/pensa em relação ao que o Outro – diz/faz.

O ser humano é um suporte simbólico, ‘faz parte’ do sistema simbólico e, ao mesmo tempo, constitui o ‘todo’ do simbolismo. Quando se refere a ‘fazer parte de’ tem como símbolo o mundo microcósmico em detrimento do mundo Superior (macro). Por exemplo, o braço é uma ferramenta que compõe todo o sistema orgânico, ele tem como símbolo a alavanca interfixa que faz parte do Ciclo de Aprendizagem Vivencial (CAV) - a ação no dia-a-dia, quando se coloca o braço para exercer as suas funções físicas. Este braço faz “parte de”, é mais fácil entender este processo quando o ser humano tem os dois braços (paradigma do normal); torna-se mais difícil a compreensão do CAV, para o ser humano que não tem um ou o outro braço, porque a referida normalidade não faz parte do dia-a-dia deste ser humano carente do braço ou de braços, implicando um maior esforço para vencer os desafios do CAV, neste Ciclo de Aprendizagem Vivencial denomina este ser humano como sendo PNE-Portador de Necessidades Especiais, um rótulo.

Para responder aos questionamentos do ser humano que busca a materialização do CAV, por meio do Ciclo de Aprendizagem Vivencial do Imaginário (CAVI), quando busca um CTH (relação entre o consultante e o consultado), faz-se necessário que a compreensão tenha sintonia com o sentimento do Eu, de acordo com o sentir/pensar do Sagrado do consultado.

Quando uma pergunta é realizada pelo consultante ao consultado no CTH, este terá de saber qual o significado da consulta, para que haja maior sintonia entre o estímulo e o evento que se deseja apresentar, e em conseqüência, qual terapia holística o consultado irá aplicar.

É importante a correlação entre o CAVI e o CAV, porque com o tempo o sentimento de pertença a um ou ao outro ciclo do objeto de estudo se distancia, então, há perda da característica de ser parte do real e/ou imaginário, induzindo a um vazio existencial.

O trabalho holístico a cada dia fortalece o equilíbrio energético se não perdermos a sensação de contato com outras pessoas, com os animais, com a natureza, e tem como resultante um processo equilibrado; caso em contrário, teremos a desarmonia energética que em consequência o terapeuta holístico observará os seguintes comportamentos nos níveis: cultural, social e individual. No nível cultural o equilíbrio coletivo está entre as pessoas; no nível individual, trabalha-se o equilíbrio energético para não sentir-se perturbado com um sentimento de isolamento, de solidão, de vazio, que poderá conduzir a um nível baixo de energia.

Acrescentadas pelo histórico cultural de cada indivíduo, dependendo de seu contexto de vida, sua história, suas necessidades, sua identidade, possibilitando o encontro consigo e, assim, maior quietude da alma dentro da complexidade da percepção entre: CAV-CAVI. Através da técnica holística percebe-se e verifica-se, que quando ocorre desconexão entre corpo-mente, acarreta um desequilíbrio energético. Devemos entender que são fenômenos subjetivos, não devemos discutir, mas respeitar, ouvir, colocarmos empáticos, simpáticos e não antipáticos.

Quando buscamos a resultante através da Iridologia, por exemplo, que é  o observar o reflexo da ‘vivacidade do corpo’ por meio do brilho, cor, expressões, sinais que vem da própria percepção das experiências no mundo ‘real’, sendo a resultante do CAV + CAVI, que terá como equilibrante a mesma intensidade da resultante recebida para a construção do seu histórico de vida que vai depender de diversos fatores, tais quais: cultural, religioso, social, econômico, cognitivo, adaptativo, etc.

O Equilíbrio Energético entre o corpo-mente-espírito (alma) está  no mundo microcósmico, se fizermos uma observação minuciosa podemos perceber que: o brilho, cor, espontaneidade de expressões, o vigor do corpo, e a sensualidade dos movimentos estão no Sistema Simbólico PED: Ponto de Equilíbrio Dinâmico entre o Corpo + mente e o espírito (alma, energia do ser vivo), que formam um ‘todo’.

O espelho é um elemento físico que reflete a imagem do objeto que está diante da parte refletora, em um espelho plano a imagem é formada por prolongamentos dos traços geométricos, e tendo condições de ser formada virtualmente, se houver luz. Neste caso, temos os olhos, como instrumentos físicos que de acordo com os seus comportamentos, podemos perceber quando estão expressando uma depressão, os olhos refletem espírito triste, em muitos casos refletem a profunda desesperança da pessoa. Sinais nas fronteiras da pele, sistemas nervoso e circulatório refletem que a função de visão própria está perturbada, se opaca, com limites e reservas, onde a opacidade e sinais podem estar relacionados com os medos e horrores que a pessoa tenha vivenciado (CAV), por exemplo, desde o tempo de infância, analisando o histórico pessoal. Caso haja manchas, ‘rasgos’, são indicadores importantes para serem trabalhados para o equilíbrio energético.

A imagem é virtual, não se projeta no anteparo, é formada pelos prolongamentos dos raios de luz refletidos. Nesta reflexão, não se faz como modelo rígido de padrões de comportamentos, os julgamentos são refletidos como estruturas comportamentais de escolha. Cada ser humano tem o ‘livre arbítrio’ de escolher qual é o tipo da sua imagem, ou não o colocando dentro de um esquema traçado como estático, mas como parâmetro de crescimento e evolução. Para se chegar ao autoconhecimento busca-se vários caminhos, assim chega-se a um ponto de decisão (processo da escolha), qual dos caminhos optar para o autoconhecimento, quando se faz a escolha, depara-se com um trabalho interno (identifica-se com o raio luminoso que formou a imagem) – o ego, não é um processo fácil, é trabalhoso e demorado, requerendo tolerância.

Quando os raios luminosos vão encaixando, formando a imagem do objeto, reflete-se a imagem, nestas escolhas os caminhos vão se tornando claros, e em consequência vão surgindo as verdadeiras mudanças.

As mudanças ocorrem quando cada ser humano constrói seu interior baseado nos modelos, nas atitudes, nos comportamentos, nas competências e nas ações.

As relações interpessoais formam-se por vínculos com os relacionamentos com as outras pessoas tendo uma grande influência na nossa personalidade e comportamentos. Muitos dos nossos comportamentos são de determinada maneira, por causa de influência que os outros exercem sobre todos entre si: falamos, vestimos e até pensamos como nos ensinaram e como temos apreendidos dos outros.

Apreender-se transpessoalmente tem como princípio básico:- compartilhamento, confiança, crença em alguma força que ‘transcende’ ao nosso físico, mas sentimos em nossa alma, ou seja, em nossa energia.

 

Jeronimo Moreira De Oliveira

CRT 37494 - Terapeuta Holístico

Atua com Psicoterapia Holística e Terapia Corporal

Destaques da Edição