Diferenciação Entre Profissões

História e Fundamentos da Profissão

Publicidade real do Século 19 - Arte Digital: Henrique Vieira Filho

É fundamental DIFERENCIAR a nossa profissão, das demais. Resguardada a privacidade dos envolvidos, este artigo exemplificará com um caso real, que, lamentavelmente, culminou com o descredenciamento do indivíduo do quadro de associados do SINTE, com a perda do usufruto da CRT - Carteira de Terapeuta Holístico Credenciado.


É com apreensão que, recentemente, o SINTE cumpriu a obrigação de atender a uma reclamação específica, formalizada junto à nossa organização, que, basicamente, se trata de diferenciar a Terapia Holística, de outra atividade igualmente lícita e polêmica, que é a exercida pelos Profissionais do Sexo.

Sagrada em outros tempos, execrada em outros, atualmente é considerada tal qual as demais atividades econômicas, visto que permitidas pela legislação, com os devidos registros e quitações de impostos.

Que fique EXTREMAMENTE claro que não se trata de avaliar se uma profissão é "melhor" ou "pior" que outra. O objetivo é tão somente a necessária DIFERENCIAÇÃO entre ambas, para que nenhum Cliente potencial se equivoque em sua escolha, lhe sendo direito inequívoco à informação precisa sobre o trabalho de cada um, e, desta forma, escolher se deseja terapia ou a pura e simples satisfação sexual, o que implica em optar por uma dentre duas profissões DISTINTAS.

Analisamos a homepage apresentada como base à denúncia recebida, bem como ampliamos a perspectiva, com busca geral via internet, bem como consideramos os argumentos remetidos pela profissional.

A seguir, alguns tópicos destacados, seguidos da conclusão da sindicância, bem como dos subsídios localizados que ilustraram as análises.

USO DE IMAGENS DE TERCEIROS, SEM A NECESSÁRIA AUTORIZAÇÃO

Apesar de prática comum, fato é que é ilícito utilizar imagens de terceiros, sem a necessária autorização do fotógrafo ou proprietário da imagem, e estes, por sua vez, tem que ter a necessária e formal cessão de imagem, por parte dos modelos retratados. Nem sequer são citadas as fontes de onde as imagens se originam, tornando ainda mais questionável o procedimento. Uma rápida pesquisa por imagens no consagrado site de busca específico para este fim (www.TinEye.com) mostra os endereços dos sites em que se originaram, a maior parte, com classificação de "conteúdo adulto", de finalidades explicitamente sexuais, pouco tendo a ver com terapia...

Assim sendo, ficam indícios de desrespeito aos direitos autorais, sendo que a solução é providenciar fotos REAIS de seus próprios atendimentos, com a devida autorização contratual dos participantes.

INADEQUAÇÃO DE TERMOS: MASSAGEM, MASSAGISTA

Já existe inúmeros PARECERES sobre o tema, que sintetizaremos a seguir.

Existe, em pleno vigor, legislação FEDERAL que cria requisitos para o exercício da "massagem", requisitos estes que atuam CONTRA a profissão, já que são impossíveis de serem cumpridos, tais como "diploma registrado no Serviço Nacional deFiscalização da Medicina", só atuar mediante receita médica, que obrigatoriamente ter que estar catalogada para verificação da fiscalização, é proibido montar consultório (só poderia atender de casa em casa...), é proibida a propaganda, exceto mediante aprovação PRÉVIA do Serviço Nacional de Fiscalização da Medicina, dentre outros absurdos.

Muito mais simples e prático do que tentar revogar estas leis, é simplesmente.... chamar a técnica por OUTRO NOME...

Situação parecida ocorreu no Japão, nos idos de 1920, quanto criaram inúmeras regras legais para a prática do An-Ma, tanto que foi mais fácil simplesmente passarem a chamar de Shiatsu e assim, não mais serem enquadrados nas exigências.

De início, o SINTE recomendava justamente o termo "massoterapia"... Posteriormente, devido a ele passar a constar majoritariamente nas propagandas de PROSTITUIÇÃO e, agravado por um Parecer nascido no Ministério Público do Paraná, exigindo que mesmo quem use este termo, teria que cumprir as mesmas leis impossíveis da "massagem", resultou que a atual posição do SINTE é nominarmos de TERAPIA CORPORAL, conforme já bastante utilizado pela linha terapêutica reichiana e que até o momento está sem "contaminação" (observe que a NTSV - Norma Técnica Setorial Voluntária só utiliza esta expressão), além de  também por seus nomes originais, tais como Shiatsu, Tui-na, An-ma, Shantala, e, como no caso da colega, Terapia Corporal Ayurvedica e Terapia Cranio-Sacral.

A solução é simplesmente rever a nomenclatura utilizada, adequando-a.

USO DE PSEUDÔNIMO:

Obviamente que, sendo apenas o nome OFICIAL o que consta na CRT - Carteira de Terapeuta Holístico Credenciado, evidentemente que, somente sob este mesmo nome, é que a sigla CRT, seguida da numeração, poderá ser utilizado. Claro que abreviações que não atrapalhem a identificação exata de quem é o profissional, podem ser aplicadas.

Outrossim, o caso em questão apresenta o uso de nome de terceiro ("Michele"  - obs: o pseudônimo do caso real, foi propositadamente alterado neste Artigo, com objetivo de resguardar a privacidade...) absolutamente diferente do nome que consta nos documentos, sonegando uma informação à qual todo Cliente de Terapia Holística tem direito: a clareza de identificação, que lhe possibilite conferir as credenciais do profissional que lhe atende.

É plausível a argumentação de que sempre foi conhecida por este nome, outrossim, para evitar que se confunda com indício de falsidade ideológica, deve fazer exatamente como os exemplos citados por ela mesma (Lula, Xuxa... ) e entrar com ação judicial de alteração e/ou complementação de seu nome no cartório de registros civil:

6. Possibilidades de alteração do nome civil

6.2 Alteração e Retificação de Nome

a) Alteração e Retificação do prenome

a.4) Apelidos Públicos Notórios e Nomes de Família

Dessa forma, tornará explícito o desejo do indivíduo em ser identificado; sem isto, passa justamente a imagem oposta, a de que deseja manter-se no anonimato, condição esta incompatível com a prática da Terapia Holística.

Até mesmo apelidos públicos notórios, como por exemplo, Xororó, são passíveis de registro no referido órgão, carecendo de parecer judicial, em especial, em caso de controvérsias quanto aos seus possíveis usuários. Certamente que este não seria o caso de "Michele" (o pseudônimo do caso real, foi propositadamente alterado neste Artigo, com objetivo de resguardar a privacidade...), já que milhares de pessoas utilizam este NOME PRÓPRIO, sendo impossível de se tentar registrar.


A NECESSÁRIA DIFERENCIAÇÃO ENTRE PROFISSIONAIS DO SEXO E TERAPEUTAS HOLÍSTICOS


Ambas as profissões são milenares, ambas aplicam manobras corporais, algumas delas bastante similares, em especial, as relacionadas à Terapia Tântrica.

Outrossim, tanto os profissionais e, especialmente, os CLIENTES tem total direito à informação, para exercerem seu direito de escolha. Para tanto, a divulgação e a forma do trabalho é que devem tornar clara a diferenciação.

Exemplos paralelos de diferenciações entre técnicas utilizadas simultaneamente por várias profissões:

DRENAGEM LINFÁTICA: se os objetivos forem pré e pós operatório, será uma exclusividade dos FISIOTERAPEUTAS...Se os objetivos forem a ampliação de qualidade de vida, de autoconhecimento, aí sim, é a área da TERAPIA HOLÍSTICA.

YÔGA: se a intenção é o condicionamento físico, é exclusividade da EDUCAÇÃO FÍSICA; se for para reabilitação, será monopólio do FISIOTERAPEUTA; se for para a qualidade de vida e autoconhecimento, aí passa a ser área de atuação do Terapeuta Holístico.

PSICOTERAPIA: se for para tratar DOENÇA, é monopólio MÉDICO; se contiver avaliações psicológicas, é atributo do PSICÓLOGO; se for para autoconhecimento, é área aberta para a nossa profissão...

 

Nesta mesma linha, em busca do necessário DIFERENCIAL entre os limites da mais variadas profissões, eis que já faz 19 anos, nossa organização se empenha no sentido de evitar a confusão entre a nossa atividade e a prostituição. Ambas são profissões lícitas, de livre exercício, com os necessários registros formais, documentais e geração de impostos e se assemelham em demasia quando a terapia se envereda pelas áreas "neo-tântricas".

Existe, claro, alguns procedimentos diferenciais: na Terapia Tântrica, não há penetração (no sentido sexual do termo...), enquanto na profissão do sexo, tal ocorrência é comum; na primeira, o orgasmo não é o objetivo a ser atingido, na segunda, a satisfação sexual é essencial.

Em toda e qualquer técnica de TERAPIA HOLÍSTICA, o que se busca é o AUTOCONHECIMENTO, e, para tanto o ACONSELHAMENTO é parte integrante e indispensável. Ou seja, não há como exercer a TERAPIA Tântrica, sem que OBRIGATORIAMENTE, a conversação, a PSICOTERAPIA faça parte, auxiliando o Cliente a compreender sua sexualidade, as origens na infância de seus traumas que geram o atual padrão sexual, a integração da sensualidade em seu dia-a-dia, nas suas relações AFETIVAS...

Na publicidade exposta pela profissional em questão, não existe esta necessária diferenciação....

Além do descuido quanto aos pudores de terceiros e ausência de alerta de conteúdo para prevenir a visitação por parte de menores de idade e de pessoas que possam ter seus limites ofendidos, o fato é que o Cliente potencial pode contratar os serviços diretamente para as atividades que busquem a simples satisfação sexual; nada indica que a TERAPIA seja parte integrante da proposta, já que nada consta quanto à obrigatoriedade de ACONSELHAMENTO, o que, por si só, necessitaria de inúmeros atendimentos específicos, e, no mínimo, reservar-se o terço final do atendimento para a conversação.

Independente da reclamação que foi a nós dirigida, uma simples pesquisa via internet, no caso, pelo consagrado Google, podemos localizar publicidade da profissional em sites associados à prostituição, bem como um FORUM de Clientes de profissionais do sexo (teor compilado na sequência...), com uma coluna específica sobre "Michele (o pseudônimo do caso real, foi propositadamente alterado neste Artigo, com objetivo de resguardar a privacidade...) Massagista" (mesmo nome fictício, mesmo telefone, mesma localização, ou seja, tratam sobre a profissional em questão...), onde ironizam a parte terapêutica, descrevem atos sexuais, com relações orais, anais, vaginais (ou seja, penetração...), o que implica que, ainda sob a hipótese de estarem faltando com a verdade, é inquestionável que aos olhos públicos, não há a necessária DIFERENCIAÇÃO entre as duas profissões abordadas neste contexto.

CONCLUSÃO:

A maior parte dos equívocos encontrados no site da profissional são passíveis de rápida correção. De ilícito, há apenas indícios quanto ao uso não autorizado de imagens e ausência dos créditos de fotógrafos e modelos.

A parte subjetiva, porém, é extremamente preocupante. Acreditamos que, realmente, a profissional se sinta como Terapeuta Holística, outrossim, não é esta a imagem que passa, provas disso são tanto a reclamação recebida, quanto os inúmeros comentários em Fórum especializado sobre profissionais do sexo, além do formato e veículos inadequados que escolheu para divulgar seus trabalhos.

Em pesquisa empírica interna, mostramos os sites da profissional para um grupo de 10 pessoas, tanto Terapeutas Holísticos, quanto de outras profissões e a interpretação foi unânime quanto a ser publicidade de serviços puramente sexuais.

Considerando que é nossa OBRIGAÇÃO zelar pela DIFERENCIAÇÃO entre a nossa e as demais profissões, optamos pelo descredenciamento da profissional como associada.

Em conformidade às regras estatutárias, a profissional fica ética e contratualmente impedida de usar e ou divulgar-se com a CRT - Carteira de Terapeuta Holística Credenciada.

Convém esclarecer que tal fato não é ato impeditivo ao LIVRE EXERCÍCIO profissional, ou seja, pode trabalhar normalmente, excluindo o credenciamento em suas divulgações.

Futuramente, a profissional poderá retornar ao quadro associativo, desde que seu trabalho como Terapeuta Holístico ,  realizado em seu nome documental, esteja claramente diferenciado de qualquer outra profissão que não seja a que nossa organização representa.

Henrique Vieira Filho

Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001, é autor de diversos livros da profissão, ministra aulas na CEATH - Comunidade de Estudos Avançados em Terapia Holística.

contato@sinte.com.br

(11) 3171-1913

Destaques da Edição