Xamãs - Os Precursores dos Terapeutas Holísticos Modernos

Xamanismo
A Terapia Holística, ainda que sob outros nomes, existe desde os primórdios da humanidade, tendo na figura dos xamãs-sacerdotes a sua personificação conhecida mais antiga.

Desde o princípio, nossa profissão aplicou a devida importância à conversação e à empatia como caminhos para obtenção de melhores resultados terapêuticos.

Além de manter-se sempre bons ouvintes, várias técnicas eram acrescidas para ampliar a compreensão do que estava além do alcance das palavras.

Neste quesito, fatores subjetivos como os sonhos eram bastante valorizados como portal para o autoconhecimento, sendo a sua interpretação facilitada pela indução a estados alterados de consciência.

 

Os próprios sintomas físicos do Cliente e, até mesmo, os acontecimentos sociais, eram passíveis de análise com estas mesmas técnicas.

Naqueles tempos, o paradigma Holístico reinava absoluto, porém, a partir do século V a.C., sacerdócio e terapia iniciam seu divórcio e a abordagem “científica-reducionista-elitista” cria uma nova personagem, a medicina, nascida antagônica à aborgadem “empírica-holística-acessível” de nossos ancestrais xamãnicos.

A Terapia Holística, forçada a se adaptar para sobreviver às fogueiras da inquisição e, mais modernamente, à ditadura do “cientificismo”, mudou várias vezes de nome, fez concessões demais, na tentativa de incorporar a postura reducionista e mecanicista de seus algozes. Simplesmente, focou no físico, ignorou os aspectos sócio-culturais e perdeu a “alma”, desprezando o psíquico e o transcendente, esquecendo do poder das abordagens Psicoterápicas.

No começo do século 20, Sigmund Freud inicia o movimento da Psicanálise, com a divulgação de estudos que demonstravam síntomas físicos sendo criados ou suprimidos mediante sugestões hipnóticas e, numa evolução da proposta, onde se otimiza condições para que os Clientes por si só encontrem origens e explicações para seus sintomas incomodativos, que se “dissolvem espontaneamente” no decorrer destes procedimentos (método catártico).
 
Correntes analíticas originadas de Jung e Reich, por sua vez, abriam espaço para "novos" métodos indutores de catarses, hoje em dia ampliados ainda mais em técnicas de psicodrama, arteterapia, renascimento, regressões e progressões, enfim, inúmeras terapêuticas vivenciais.

Ora, se compararmos de forma isenta, temos que constatar que há enorme semelhança com os métodos praticados já há centenas de anos pelos líderes sacerdotais das mais variadas culturas, que por meio de dança, canto, música, hipnose dinâmica, fitoterapia, sauna (dentre outros nomes modernos para estes recursos antigos...) já proporcionavam catarses, explosões emocionais e expansão da consciência para os membros de suas comunidades.

 

A análise dos sonhos, outro importante instrumento da Psicoterapia, é, na verdade, mais uma TRADIÇÃO MILENAR de todos os xamãs, pajés e sacerdotes, de todos povos distribuídos pelo mundo.

Muitos de nossos colegas da Terapia Holística assumem explicitamente a origem de suas técnicas, denominando seus trabalhos como Xamanismo, buscando ao máximo reproduzir em consultório, o ambiente tribal, proporcionando aos seus Clientes experiências transcendentes.

O fato é que, ainda que sob novas nomenclaturas e hoje descaracterizados dos aspectos religiosos originais, todo Terapeuta Holístico deve ter consciência e orgulho de ser um "Xamã do Século 21".
 
Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001
 
Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001, é autor de diversos livros da profissão, ministra aulas na CEATH

 

Destaques da Edição