Uma Terapia Enrolada

Holopuntura

Claro, o título é bem humorado, mas, a enorme varidade de nomes utilizados para esta mesma técnica, de fato, passa a impressão de que seus praticantes estão, mesmo, "enrolados": Spiral Taping, RMA - Reprogramação Músculo-Articular, Terapia do Esparadrapo, Esparadrapoterapia, Magic Tape, Kinesio Tape, Trigger Tape, Strapping &Tapping, Cross Tape, Therapeutic Taping, para citar só algumas das variantes mais utilizadas.

Estratégias de marketing e problemas com marcas registradas, talvez justifiquem tamanhas variantes, mas, ainda que alguém possa até conseguir ser "dono" de um nome, felizmente, ninguém pode se "adonar" de TÉCNICAS,  pois estas pertencem à humanidade.

Confesso que tinha preconceito com esta opção terapêutica, por isso, nunca havia experienciado antes.

Mas, eis que um certo dia, constatando desconforto na musculatura dos ombros, apliquei na região mais sensível ao toque, uma pequena "treliça" formada por fatias finas de esparadrapos, que se entrecruzavam, e, para minha grata surpresa, o relaxamento localizado ocorreu de forma imediata !

Mas, justifico a seguir, porque estava reticente, inicialmente, em adotar mais esta técnica em meus atendimentos.  Eu conhecia uma variante da técnica, aplicada na Europa, tanto em esportes, quanto de forma geral,  onde o método consiste na aplicação de fitas adesivas resistentes o suficiente para conseguir atuar na musculatura, ora como "talas" a aliviar o esforço na região, transferindo parte de seu esforço para outra área, ora "alogando" determinado grupo muscular, "puxando-o" com as tarjas para uma posição mais adequada e também limitando os movimentos indesejados.

Ou seja, nesta forma de trabalho, há necessidade de bons conhecimentos de fisiologia, para poder "interpretar" os músculos problemáticos e intervir com as fitas, que formam desenhos coerentes à anatomia e específicos para cada caso. Isso somando à necessidade de materiais de forte resistência, com elasticidade e firmeza suficientes para intervir nos feixes musculares.

Eis que quando fui apresentado à versão brasileira da técnica, observei singelas e finas fatias de micropore entrecruzadas em um padrão pré-concebido, variando apenas em tamanho e sempre formando um mesmo desenho.

Daí, desdenhei... E errei ! Pois, de fato, hoje em dia estou convencido de sua eficácia. Só ainda não estou satisfeito quanto ao COMO e PORQUE funcionam, que ainda são interrogações a serem respondidas...

Por ser uma técnica recente, é natural que tantas perguntas ainda estejam no ar. Claro que logo, logo, algum colega, seja por estratégia publicitária, seja por ingenuidade, irá afirmar que, na verdade, é uma terapia milenar, descoberta pelos antigos egípcios que aplicaram em si as bandagens que usavam na mumificação... Brincadeiras à parte, há um consenso entre os entusiastas brasileiros que atribuem a paternidade da técnica ao japonês Nobutaka Tanaka.

Às vezes apresentado como "Osteopata" (uma corrente paralela à Quiropraxia...) e Acupunturista, outras vezes, como Esportista, a história corrente é a de que, ao enfaixar entorses, observou que, coforme a direção e o "desenho" que se formava quando aplicava as faixas, os resultados se maximizavam.

Partindo desta constatação, desenvolveu a técnica, que chegou até nós no formato como se popularizou: pequenas treliças de fitas aderentes, a serem aplicadas nos locais problemáticos e e regiões de pontos utilizados comumente na Acupuntura.  

Um das denominações deste instrumento terapêutico é atribuída ao próprio Nobukata, que imaginava a "energia" transpassando a treliça, formando uma espiral, daí a marca Spiral Taping.

Ou seja, é mais uma ótima TÉCNICA à disposição de várias PROFISSÕES distintas, cada qual, aplicando em conformidade com sua filosofia de trabalho e limites legais. Fisioterapeutas, por exemplo, raciocinarão do ponto de vista muscular, enquanto que nós focaremos na harmonização energética, aplicando sob a conceituação de chacras, meridianos, zonas reflexas...

Claro que, na Holopuntura, já o fazemos com muitos outros tipos de estímulos: toque, agulhas, imãs, cores, cristais, esferas ouro e prata, "softlaser", vibrações sonoras,  dentre muitas outras opções já testadas e aprovadas pela prática, há muito mais tempo do que as treliças de esparadrapo. Outrossim, verdade seja dita: no referente a relaxar regiões tensas, as "cruzetas" adesivas são muito eficientes, com espantosos resultados de alívio imediato !

Espantado com a eficácia e, como bom virginiano, não resisto à tentação de tecer algumas teorias...

Em meus experimentos, utilizei a Pulsologia de Nogier, constatando fortes "sinais" ao aproximar a treliça das zonas tensas, chegando até mesmo a localizar, com facilidade, o ponto exato em que a aplicação do adesivo será mais eficaz. Refinando ainda mais a percepção via pulsologia, observei que, alterando o ângulo (simplesmente, "girava" suavemente a  treliça, mudando a inclinação conforme aproximava da região problemática), igualmente a percepção do pulso alterava,. Estava buscando uma "sintonia fina", com  a pulsologia detectando a melhor ressonância possível, perante a combinação dos fatores "ponto exato" e "angulação" das linhas formadas pelas tiras de esparadrapo.

Ou seja, além do local exato para aplicação (definido via pulsolgia, mas que igualmente poderia ser "detectado" pela sensibilidade ao toque, ou, até mesmo, via Radiestesia...), o desenho combinado das "listras" dos esparadrapos em relação à região aplicada, igualmente influencia o resultado final. Aqui, já há familiaridades com a RADIÔNICA, onde a forma, o "desenho" dos gráficos, por si só, induzem a resultados específicos.

A maioria de nós conhece as chamadas Placas Radiônicas Auto-Adesivas, sendo as mais comuns, as que são "grudadas" em celulares para contrabalançar as "radiações nocivas". Seriam as treliças de esparadrapos, a versão dos adesivos radiônicos, para humanos ? Eis mais uma hipótese a se testada e compatilhada nesta Revista, assim que tiver minhas impressões iniciais a respeito !

Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001Henrique Vieira Filho - Terapeuta Holístico - CRT 21001, é autor de diversos livros da profissão, ministra aulas na CEATH - Comunidade de Estudos Avançados em Terapia Holística.  contato@sinte.com.br (11) 3171-1913

Destaques da Edição